VOTAR, SIM

COM LOGRO, NÃO

 

Sabemos TODOS que votar para além de um direito,

é um dever cívico STOP

 

Em qualquer país evoluído, democrático, ou que finja sê-lo, uma cena destas seria sempre surreal.

Se acontecesse em algum país de macacadas, havê-los-á em todos os continentes do mundo dito civilizado, teríamos grandes parangonas a apontar o facto. Aqui, a maioria está calada que nem ratos porque, parece, há vacas sagradas.

E ‘enganos’, ‘lapsos’ e ‘equívocos’ acontecem em qualquer ministério, da Saúde à Justiça, passando pelo da Anomia Interna.

Mas isso dizemos nós porque, para os verdadeiros responsáveis, há sempre uma razão para sacudirem a água do capote. Nomeadamente quando a água é suja e fede pelo bafio que encerra.

Até uma lei de 1976 serve para tentar justificar a falta de cuidado/prudência em colocar no boletim de vota para Eleições Presidenciais, o nome e a imagem de um candidato a candidato que apresentou 11 assinaturas e, logo à partida informou que não iria apresentar mais porque a sua candidatura era somente para denunciar quão obsoleto e injusto é o atual sistema eleitoral para a presidência da República Portuguesa.

Tenta justificar-se o MAI – Ministério da Anomia Interna:

1 – ‘… a candidatura até pode vir a ser chumbada pelo Tribunal Constitucional, mas, como o sorteio já está feito …’;

2 – … … …

3 – … … …

4 – ‘… a possibilidade de os boletins de voto incluírem candidaturas entretanto excluídas, ou cujos candidatos desistam do ato eleitoral, não é inédita’.

Mas à partida, saber-se que uma candidatura não cumpria, nem iria cumprir uma das condições de exclusão conforme logo afirmado pelo seu proponente, ser colocada a sorteio da ordem por que constaria no boletim de voto, só mesmo, aqui!

Quase já não há pachorra!

Agnóstica

JAN21